Inicio | Local | Hotéis |Programa | Oradores | Conclusões | Inscrições | Notícias | Clipping | Organização | Galeria | Contactos

Erik Seedhouse, um formador de Astronáutica no 8º Congresso da APECATE

A APECATE continua a fazer tradição nos seus congressos. Depois de vários painéis sobre problemas transversais do Turismo, com especial incidência nos que mais afectam as áreas que representa, as últimas horas são sempre dedicadas a dois tipos de reflexão: uma, estritamente sectorial, a outra, mais recente, assumidamente “fora da caixa”.

Na primeira, proposta pelas duas secções da Associação – Animação Turística e Eventos e Congressos – os congressistas dividem-se por duas salas, de acordo com os seus interesses. Este ano, na sala da Animação Turística, numa mesa redonda moderada por Rui Palma, da Palmayachts, estará em debate a descentralização, na óptica do ordenamento e da delegação de competências, e as suas consequências para o sector, em particular para os operadores marítimo-turísticos. Com a presença de Carlos Baía, vereador da Câmara Municipal de Faro, Fernando Rocha Pacheco, da Polícia Marítima do Sul, José Saleiro, da Vertente Natural e Rogério Neto, vereador da Câmara Municipal de Albufeira, espera-se uma conversa que, tendo em conta as diferentes perspectivas dos oradores, possa focar-se na clara formulação de problemas e na busca de soluções. Na sala reservada aos Eventos e Congressos, será de novo tema central o debate em torno da estratégia para um sector com contornos pouco nítidos, que se tem desenvolvido sem qualquer enquadramento jurídico específico e que, segundo a Associação, carece de uma caracterização quantificada a nível nacional. Serão oradores Marteen Schram, da associação LiveCom Alliance, e Sónia Brochado, presidente da Secção de Congressos e Eventos, estando a moderação a cargo de Rui Costa da Universidade de Aveiro.

O último painel “Um outro olhar” junta de novo os congressistas no referido painel “fora da caixa”, moderado por Ana Fernandes, vice-Presidente da APECATE. Sendo o objectivo ouvir pessoas que, vivendo e trabalhando fora do Turismo, possam contribuir para novos posicionamentos no próprio sector, vamos ter três oradores muito diferentes e complementares entre si.

Começando por um testemunho local, João Carlos Currito, da Carob World, vai conduzir-nos pelas potencialidades do mítico recurso da terra algarvia que é a alfarroba. Em seguida, João Correia, da Flying Sharks, biólogo marinho, dará testemunho de como pode ser multifacetada a tarefa de promover e agir em prol de um uso sustentável dos oceanos. E, finalmente, Erik Seedhouse, professor da ERAU – Embry-Riddle Aeronautical University, na Florida, com os pés muito bem assentes na terra como são todos os especialistas em sobrevivência, fará uma intervenção que será seguramente uma fonte de inspiração para esta difícil e comum tarefa que é vencer os enormes desafios de um mundo onde, tal como no espaço, são imprevisíveis muito dos perigos que temos de enfrentar.

Na sessão de encerramento, que terá lugar depois deste último painel, estarão presentes António Marques Vidal, presidente da Direcção da APECATE, João Fernandes, Presidente da Entidade Regional de Turismo do Algarve, Rogério Bacalhau Coelho, Presidente da Câmara Municipal de Faro e Luís Araújo, Presidente do Turismo de Portugal, IP.

Fiscalidade e Trabalho – As agruras do empresário

Um painel prático, útil, informativo

A carga fiscal e o estado das coisas no que respeita ao Código do Trabalho são ingredientes incontornáveis da via sacra dos empresários e, em particular dos que se dedicam à actividade turística. São sempre múltiplas e complexas as questões que os preocupam, razão que leva a APECATE, em todos os congressos, a conceber alguns temas numa óptica eminentemente prática, útil e informativa, como é o caso deste Painel que será moderado por Amílcar Nunes da Ernst & Young.

No que respeita ao Código do Trabalho, desde a clarificação das obrigações empresariais à interpretação da lei e às dificuldades da sua aplicação ao universo heterogéneo de sociedades comerciais, maioritariamente nano e micro, e que, pela natureza do seu funcionamento, exigem muita mão de obra flutuante, horários adequados à função, contratações por vezes na hora, etc., serão diversas as questões que os congressistas esperam ver esclarecidas por Carlos Montemor, director do centro local de Portimão da ACT, que aceitou participar num painel que tem todas as características de uma sessão de esclarecimento.

Quanto aos temas da fiscalidade, confiados a Tânia de Almeida Ferreira, da CCA Law Firm, para além de uma visão geral sobre a carga fiscal, sofrida por todos no exercício da profissão, e do tratamento de questões específicas – como o IVA em transações internacionais, as regras da facturação ou os aumentos salariais -, espera-se que sejam apresentadas as novidades do Orçamento Geral do Estado, eventualmente acabado de aprovar na véspera deste painel, e uma primeira reflexão sobre as suas consequências para o sector.

Informações e inscrições aqui.

MARKETING DIGITAL E PROMOÇÃO DO DESTINO: TEMAS RECORRENTES, NOVAS ABORDAGENS

A reflexão que a APECATE propõe neste Congresso sobre o marketing e a promoção está plasmada nos dois painéis que terão lugar na tarde de quinta-feira, dia 6 de Fevereiro. São temas recorrentes. No entanto, tanto a sua importância como a evolução incessante das novas tecnologias estimulam sempre novas abordagens.

A primeira questão em debate decorre, exactamente, do peso do digital. No painel 2, “Digital – Dependência versus oportunidade”, a interrogação é clara: Que opções estratégicas estão ao alcance dos empresários para reduzir a dependência e aumentar a oportunidade do digital? Será uma fatalidade a dependência das empresas das grandes plataformas de distribuição, com sacrifício de alguma identidade, ou, pelo contrário, o digital pode abrir portas à afirmação de marcas próprias? E estas plataformas continuam a ser compensadoras ou a palavra de ordem vai ter que ser a diversificação dos canais de distribuição?

Serão oradores Euclides Major, da Ozzy Ventures e Rui Brás, da Digital Group, estando a moderação a cargo de João Paiva Mendes, vice-presidente da Secção de Animação Turística da APECATE.

No Painel 3, o enfoque parte de uma outra realidade: se é um facto que os empresários dos sectores da Animação Turística e dos Eventos são fundamentais para a promoção do destino Portugal e, pela natureza da sua actividade, são, também, criadores e agentes do desenvolvimento deste destino, o seu valor ainda está longe do reconhecimento e apoio que lhe é devido.

Através da análise de casos, trazidos por vozes autorizadas como Álvaro Covões, director da Everything is new, Anabela Afonso, comissária do Programa Cultural 3675 Algarve, José Teixeira, director da RUNPORTO e Maria João Fonseca, sócia gerente da Vertigem Azul, será problematizada a forma como estes produtos se entrosam e dinamizam as economias locais, como pode aprofundar-se o seu contributo para a qualificação e diferenciação do destino, os problemas que enfrentam e a forma como têm sido, ou não, contemplados pelas políticas nacionais de promoção. Cláudia Caetano, presidente da Secção de Animação Turística da APECATE, será a moderadora deste painel.

Mais informações sobre o Programa aceder aqui.

CONGRESSO DA APECATE FAZ APOSTA FORTE NA SUSTENTABILIDADE

As preocupações com a sustentabilidade da actividade turística não são novas. A Carta do Turismo Sustentável da OMT data de 1995 e, em Dezembro de 2013, 17 associações nacionais do sector turístico, entre as quais a APECATE, aderiram ao Código Mundial de Ética do Turismo da OMT. O que é novo é o carácter de urgência de que se reveste a solução para os problemas que temos que enfrentar e, também, a importância de combater algumas visões, que a Associação considera pouco credíveis e simplistas, que assentam na identificação do conceito de overtourism com o tão falado “turismo a mais”.

Nesta ordem de ideias, este painel sobre a Sustentabilidade, moderado por Olga Romão (GEOTA) vai centrar-se em três temas essenciais: como prevenir o overtourism com políticas de gestão dos fluxos turísticos que, em simultâneo, impulsionem o desenvolvimento do sector, a qualidade do serviço, as boas práticas empresariais, o bem estar das populações e a conservação dos recursos naturais; que relações podem e devem ser estabelecidas entre as exigências da sustentabilidade e as políticas de promoção dos destinos; e qual o valor de mercado, hoje, das certificações ambientais.

Para tratar estas diversas linhas de abordagem, estarão presentes em Faro quatro conferencistas: Milena Nikolova, investigadora especializada na área dos comportamentos em viagem e tendências do consumo em Turismo, vai expôr-nos o que considera ser o real Overtourism e apresentar exemplos de políticas de gestão de fluxos, já experimentadas a nível europeu; John-Paul Eatock, fundador do National Coasteering Charter, versará a sustentabilidade na perspectiva das boas práticas empresariais em actividades de coasteering, decorrentes de uma formação que associe os aspectos técnicos, a gestão do risco e a conservação dos recursos; Leonor Picão, em representação do Turismo de Portugal, vai apresentar-nos a perspectiva desta entidade sobre a forma como as políticas promocionais podem influenciar as práticas de um turismo sustentável; Paulo Gomes, em representação da SGS, centrará a sua intervenção no “estado das coisas” das certificações ambientais.

Mais informações sobre o Programa – aqui.

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA O 8º CONGRESSO DA APECATE

Estão já abertas as inscrições para o 8º Congresso da APECATE, que terá início no próximo dia 6 de Fevereiro, na cidade de Faro.

Nesta edição, concebida em torno do tema “Turismo e Democracia”, espera-se a formulação clara e directa dos principais problemas que afectam os sectores da Animação Turística e dos Eventos e Congressos, a busca conjunta de soluções e, sobretudo, a definição de estratégias que permitam aos empresários e seus representantes uma maior participação nas decisões que os afectam.

A reflexão de arranque do Congresso estará a cargo do embaixador de Portugal na UNESCO, António Sampaio da Nóvoa. Em seguida, em Mesa Redonda, os dirigentes das principais associações sectoriais do Turismo – Pedro Costa Ferreira, pela APAVT, Raul Martins pela AHP, Ana Jacinto pela AHRESP e António Marques Vidal pela APECATE, vão debater, entre si e com a assembleia, questões transversais aos subsectores que representam, com vista à definição de uma agenda de trabalho comum para 2020-2025.

Sempre no mesmo registo, seguem-se painéis que tratarão, sucessivamente, os desafios do digital, o valor da animação turística e dos eventos na promoção do destino Portugal, as agruras dos empresários no que respeita à fiscalidade e os inadiáveis compromissos dos empresários com boas práticas que garantam a sustentabilidade da sua acção.

Como sempre acontece nos Congressos da APECATE, a última tarde é reservada para debates sectoriais promovidos pelas duas secções da Associação – Eventos e Congressos e Animação Turística.

Como coroamento de um trabalho de dois dias sobre o mundo do Turismo, os trabalhos do Congresso terminam com o Painel “Um outro olhar”, com personalidades e profissionais que, porque oriundos de outros sectores, têm visões sobre a actividade turística que constituem contributos fundamentais para ajudar o sector a dimensionar e contextualizar o universo das suas preocupações.

Informações sobre Inscrições e Programa aceder aqui.

O 8º Congresso Nacional da APECATE está a chegar!

Reserve já na sua agenda os dias 6, 7 e 8 de fevereiro de 2020, na cidade de Faro, para participar em mais um Congresso da APECATE.

À semelhança das edições anteriores é nosso compromisso que exista riqueza nas comunicações, partilha de experiências, reflexões e sugestões de intervenções que sejam uma mais-valia para todos os profissionais e participantes que nos visitam.

O tema deste Congresso será “Turismo e Democracia”, sendo esta uma problemática que nos preocupa, perante os desenvolvimentos deste século. Portugal, o turismo e o setor dos Congressos, Eventos e Animação Turística, em particular, estão face aos desafios do século XXI, como a globalização, digitalização, robotização, demografia, reordenamento, regulamentação e sustentabilidade, entre outros, que nos obrigam a refletir sobre a essência da democracia. Qual o modelo, que país e que turismo aspiramos vir a ter?

Esperamos contar com o vosso apoio para o sucesso de mais um Congresso da APECATE.