Companhia das Soluções apoia a comunicação da APECATE

Desde que os primeiros impactos da COVID-19 se começaram a sentir que a Companhia das Soluções e a APECATE – Associação Portuguesa das Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos – se aliaram numa parceria em termos de serviços de comunicação, nomeadamente, assessoria de imprensa.

“No cenário atual é importantíssimo podermos contar com um serviço especializado de assessoria de comunicação que nos assegure que todas as informações relacionadas com necessidades, dados estatísticos e outras solicitações do setor dos congressos, animação turística e eventos chegam aos meios de comunicação social”, refere António Marques Vidal, presidente da APECATE.

Por seu lado, a Companhia das Soluções disponibilizou-se de imediato para apoiar a APECATE neste momento que atinge de forma sem precedentes todos os seus associados. “Procuraremos dar o nosso maior contributo para reduzir o impacto  negativo que este setor atravessa”, partilha Sónia Pereira, fundadora e CEO da agência.

www.apecate.pt

Porta-Vozes APECATE disponíveis para possíveis entrevistas:
Lisboa – António Marques Vidal – Presidente da Direção APECATE
Porto – Ana Fernandes – Vice-Presidente Direção APECATE

Para mais informações, por favor, contactar: 
Catarina Oliveira – Companhia das Soluções  catarina.oliveira@companhiasolucoes.com ou APECATE – apecate@apecate.pt

Associações dos setores da Cultura, Festivais e Eventos unidos na luta pela sobrevivência

“Todos juntos na solução da crise”. São estas as palavras lema resultantes da reunião entre a APECATE (Associação Portuguesa das Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos), a APEFE (Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos) e a Aporfest (Associação Portuguesa de Festivais de Música) num comunicado de imprensa em conjunto. Unidos, pretendem lutar pela sobrevivência do setor dos Eventos, integrando os Festivais e a Cultura.

As três Associações unem-se agora num comunicado conjunto em que apelam a solidariedade para a sobrevivência destes setores. “Os nossos setores estiveram sempre na primeira linha para ajudar a sociedade em momentos de crise organizando e participando eventos de angariação de fundos pro bono em situações difíceis, agora temos todos de nos ajudar.”

Em termos de medidas concretas, as associações apelam à inclusão dos sócios gerentes para o apoio lay-off, uma vez que a área prevê que o presente ano e o ano de 2021 estejam totalmente comprometidos, à manutenção dos orçamentos dos setores públicos para os eventos e a cultura, bem como à injeção de dinheiro nestas empresas, que foram as primeiras a fechar a atividade e serão, muito provavelmente, das últimas a retomar a mesma.

Os dados recolhidos pelas associações remetem-nos para cenário dramáticos destes setores, com a APECATE a anunciar mais de 300milhões de cancelamentos e empresas 100% fechadas até Setembro, a APEFE a destacar que são mais de 100 mil postos de trabalho afetados e mais de 25 mil espectáculos e festivais com entradas pagas cancelados ou adiados, apenas no período de 8 de março a 31 de maio, e a APORFEST com festivais/iniciativas canceladas ou adiadas desse 4 de Março.

Promotores, organizadores de eventos, artistas, tecnicos e restante profissionais de espetáculos e eventos, empresas de audio visuais, salas de espectáculos e eventos privadas, todos viram a sua única fonte de receita suspensa sine die.

Esta união pretende encontrar soluções alternativas para enfrentar a crise que o setor atravessa com o total desaparecimento das fontes de rendimento dos promotores, prestadores de serviço e artistas, culminando no encerramento de diversas empresas. Os eventos adiados têm custos duplicados e uma incerteza no que toca à sua realização, sendo que a confiança e o poder de compra de publico está comprometida.

Para mais informações, por favor, contactar: 
Rita Ramalho – Companhia das Soluções | rita.ramalho@companhiasolucoes.com | +351 93 778 1042 | ou APECATE – apecate@apecate.pt

APECATE PROCURA UNIR EMPRESÁRIOS DO SETOR DOS EVENTOS E TER UM PAPEL ATIVO NA CONSTRUÇÃO DE MEDIDAS ECONOMICAS DE COMBATE AO COVID-19

Associação registou até ao momento mais de 90% de cancelamentos em eventos, estão cerca de 30 000 trabalhadores envolvidos

Ciente do impacto da conjuntura atual no setor, a APECATE – Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos, está empenhada em ter um papel ativo no acompanhamento da situação e na construção de medidas de combate a este tsunami económico no setor.  Até ao dia de hoje, os dados recebidos pelos associados APECATE apontam para mais 90% de eventos cancelados, envolvendo cerca de 30 000 trabalhadores directos, sem contar com os eventuais, os conhecidos recibos verdes.

“Queremos em primeiro lugar ouvir os empresários, ter acesso a dados que nos permitam uma análise do impacto que o setor está a sentir. Sejam associados ou não da APECATE, queremos os empresários connosco. Estamos numa situação excecional, quanto mais unidos estivermos, mais força conseguiremos dar ao setor eventos, que é um dos primeiros a ser afetado”, partilha António Marques Vidal, Presidente da Apecate.

A preservação dos empregos e manutenção das empresas abertas são as duas grandes linhas de ação da APECATE no panorama atual. “O governo tem tido grande abertura, todos os dias ouve as nossas sugestões e propostas, analisa e vai tomando algumas das medidas que avançamos.  Algumas, mas não todas. Consideramos que muitas das medidas já comunicadas poderão ainda não estar totalmente fechadas, poderão ir sendo complementadas, daí que precisemos de trabalhar diariamente”, refere António Marques Vidal. “Acreditamos que a solução passará obrigatoriamente por uma concertação entre as ideias do governo e as preocupações dos empresários”, finaliza.

Para a APECATE, é necessário esclarecer algumas medidas já anunciadas, como o caso do recurso ao lay-off  e micro credito, por exemplo. A associação acredita, no entanto, que há ainda muito a ser feito e destaca algumas medidas a serem tomadas no imediato para a sobrevivência das empresas como viabilizar o não pagamento de impostos (IVA/TSU/IRS) ou adiamento do seu pagamento sem juros, já a partir de Março, abertura de linhas de crédito imediato dirigido a micro-empresas, médias-empresas e nano empresas, possibilitar períodos de carência a empresas que tenham investimentos/dívidas à banca e, por fim, colocar em formação remunerada IEFP profissionais freelancers/recibos verdes (que representam um número elevadíssimo de profissionais que fica sem qualquer apoio).

No futuro, o setor dos eventos, congressos e animação turística será certamente determinante no arranque da economia, daí que a APECATE esteja já em conversações com os órgãos competentes para definir estratégias para a retoma da economia, que envolvem campanhas de comunicação internas e externas, bem como ações mais concretas de rentabilização e criação de novas ofertas, aproveitando espaços atualmente devolutos, em espaços para eventos, nomeadamente em Lisboa e Porto.

Para mais informações, por favor, contactar: 
Rita Ramalho – Companhia das Soluções | rita.ramalho@companhiasolucoes.com | +351 93 778 1042 | ou APECATE – apecate@apecate.pt

 APECATE APELA A MEDIDAS URGENTES:  SETOR DOS EVENTOS, CONGRESSOS E ANIMAÇÃO TURÍSTICA COM MORTE ANUNCIADA

PREJUÍZOS JÁ SÃO SUPERIORES A 200 MILHÕES DE EUROS


Numa altura em que se vive uma fase exponencial do COVID-19, a APECATE – Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos –  revela que o setor já vive numa situação dramática, com todos os eventos paralisados e prejuízos estimados entre os 200 e os 250 milhões de euros, até à data e que aumenta todos os dias.

Apesar de todo o trabalho que está a ser desenvolvido e das medidas já apresentadas, estas têm-se revelado insuficientes, para este sector tão específico. As medidas apresentadas, estão no caminho certo, mas algumas não têm em consideração a realidade do sector, colocando condições que não se conseguem cumprir, impedindo as empresas de ter acesso às mesmas e com isso serem ineficazes”, defende António Marques Vidal, Presidente da Direção da APECATE.

Após análise da Portaria n.º 71-A/2020, de 15 de março, foi com enorme preocupação que se constatou que o teor da mesma, não dá resposta aos problemas atuais e tendo em consideração a presente data, já não evitará que as empresas que têm falta de tesouraria deixem de pagar os salários no fim deste mês, remetendo os trabalhadores para uma situação de salários em atraso com o consequente recurso ao Fundo de Desemprego o que na prática se irá refletir nas mesmas consequências de impacto financeiro para o Estado, ao qual irá acrescer um enorme impacto e alarme social potenciado ainda mais pela atual situação.

Acreditamos que todos nós estamos a trabalhar para encontrar as melhores soluções, mas temos de ter consciência que se não forem aprovadas medidas que criem condições de  sobrevivência do setor, quando se der a desejada retoma, as empresas não vão ter a competitividade necessária para rapidamente reposicionarem Portugal como uma referência na área dos Congressos,  Eventos e Animação Turística”, revela António Marques Vidal.

Ciente das dificuldades atuais mas confiante no futuro, a APECATE acredita que este sector será determinante para a retoma económica, assim que esse tempo chegar. “Somos um país de referência no turismo e, ainda mais, na área de eventos, conferências e animação turística, e vamos continuar a ser”, finaliza António Marques Vidal.


Porta-Vozes APECATE disponíveis para possíveis entrevistas:
Lisboa – António Marques Vidal – Presidente da Direção APECATE
Porto – Ana Fernandes – Vice-Presidente Direção APECATE


Para mais informações, por favor, contactar: 
Rita Ramalho – Companhia das Soluções |rita.ramalho@companhiasolucoes.com | +351 93 778 1042 ou APECATE – apecate@apecate.pt