PROGRAMA

Da moda à consolidação – Caminhos e desafios do Turismo em Portugal 

É nos momentos mais favoráveis para um sector de actividade económica que é mais importante reflectir e definir estratégias de consolidação. Sendo esta a situação do Turismo em geral e dos Eventos e da Animação Turística em particular, a APECATE propõe para o 7.º Congresso o debate de temas considerados prioritários para o desenvolvimento destes sectores: a qualificação e certificação de destinos, o ordenamento, a inovação na construção e promoção dos produtos, a modernização da gestão, a legislação laboral, a formação de recursos humanos e as potencialidades da auto-regulação.

QUARTA-FEIRA, DIA 30 DE JANEIRO

11h00 | Acreditação

12h30 | Almoço no Hotel Faial, cortesia da Câmara Municipal da Horta

14h00 | SESSÃO DE ABERTURA DO 7.º CONGRESSO

15h00 | PAINEL 1. DESAFIOS DO CRESCIMENTO: QUALIFICAR DESTINOS E PRODUTOS
O futuro do Turismo em Portugal não pode depender de dinâmicas imprevisíveis como são as modas ou a desgraça alheia, nem ser comprometido por falsas questões que são mais sintoma das nossas incapacidades para gerir o crescimento do que problemas reais. O Turismo em Portugal vai ser o que formos capazes de consolidar, desde já, pela via da qualificação, da certificação e de uma aposta clara na sustentabilidade dos nossos recursos.

                 António Ceia da Silva, Entidade Regional de Turismo do Alentejo
                 Olga Romão, Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente
                 José Miguel Correia Alves, Estrutura de Gestão da Sustentabilidade do Destino Turístico Açores
                 Moderador: Catarina Valença, APECATE

17h30 | PAINEL 2. O MAR – ABRIR HORIZONTES, ORDENAR, LIBERTAR
O mar é um território com uma extrema importância para Portugal: é um recurso multifacetado e, na perspectiva dos agentes turísticos que representamos, é um palco de eventos e um meio por excelência para a recreação e lazer. Ordenar é definir usos – e, neste aspecto, é muita a literatura existente sobre o mar – mas, quando se trata de territórios partilhados, é também definir critérios que permitam compatibilizar os interesses dos seus utilizadores. Neste quadro, as questões do ordenamento são fulcrais. Com a transferência de competências para as autarquias e CIMs, muitos destes desafios ganham novas dimensões, o que traz para a ordem do dia a discussão de questões como os critérios globais e uniformes para utilização de espaços pelos seus diversos utilizadores e a eventual necessidade de os adequar a especificidades locais.

                 António José Correia, Fórum Oceano
                 António Pedro Sá Leal , Life Dreamer                 
                 Moderador: José Saleiro, APECATE

20h30 | Jantar no Hotel Canal, cortesia do Governo dos Açores

QUINTA-FEIRA, DIA 31 DE JANEIRO

9h30 | PAINEL 3. LEGISLAÇÃO LABORAL E CUSTOS DE CONTEXTO
Quer as empresas de animação turística quer os organizadores de eventos e congressos têm necessidades específicas de funcionamento às quais deve corresponder uma gestão de recursos humanos que exige uma grande flexibilidade. Será que o actual Código do Trabalho contempla de forma adequada estas especificidades sectoriais? Quais são as obrigações a cumprir pelos empresários? Quais os aspectos da lei que permitem a necessária flexibilidade? E como é que esta questão e tantas outras similares contribuem para os custos de contexto das empresas do sector?

                 Paula Lopes Vieira, Autoridade para as Condições do Trabalho
                 Francisco Sá Nogueira, Lisbon Helicopters
                 Moderador: José Miguel Ascensão, Oliveira Ascensão e Associados

10h00 – 12h00 | Gabinete de Apoio ao Investimento e à Competitividade**

11h30 | PAINEL 4. GESTÃO E MARKETING DIGITAL NAS EMPRESAS DE ANIMAÇÃO TURÍSTICA E DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS
Considerando a nova cadeia de comunicação – captação da atenção para os nossos produtos num mundo global e concorrencial, tratamento da nossa reputação on-line num mundo de redes sociais que são paus de dois bicos, relação directa com o cliente que, passadas as duas fases anteriores, finalmente chega a nós – será fundamental: 1. conhecer bem as técnicas do marketing digital e como se articulam com técnicas tradicionais de promoção; 2. dotar as empresas de quadros capazes de se situarem neste novo mundo de promoção e venda, ou seja, reequacionar competências; 3. rever a comunicação dos produtos.

                 Catarina Moreira, Consultora, Be Digital
                 Joaquim Pires, Turismo de Portugal
                 Cristina Lira, Jornalista Turismo do Brasil
                 Moderador: Sónia Brochado, APECATE

13h00 | Almoço no Restaurante o Barão, cortesia do Governo dos Açores

14h00 – 17h00 | Gabinete de Apoio ao Investimento e à Competitividade**

14h30 | PAINEL 5. CONSTRUIR OLHARES SECTORIAIS

PAINEL 5.1. TURISMO DE AR LIVRE: EXIGÊNCIAS DA AUTO-REGULAÇÃO NA CERTIFICAÇÃO DE TÉCNICOS DE TURISMO DE AR LIVRE
Perante a existência da qualificação do Técnico de Turismo de Ar Livre e da impossibilidade, até à data, da certificação de conhecimentos e competências dos técnicos no activo do sector através do RVCC, ganha cada vez mais importância a criação de uma certificação APECATE cujo modelo se apresenta para debate.

                Paulo Rocha, Cumes
                Francisco Silva, Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril
                Jean-Yves Lapeyrere, European Confederation of Outdoor Employers
                Moderador: Ana Barbosa, APECATE

PAINEL 5.2. AUTO-REGULAÇÃO NO SECTOR DE EVENTOS E CONGRESSOS: TEMAS, PROBLEMAS, SOLUÇÕES
Não estando nas intenções do actual Governo promover o enquadramento jurídico das empresas de congressos e eventos, por nós proposto e trabalhado, qual a resposta dos empresários? Que medidas tomar para a estruturação, formação e promoção do sector? A plataforma do Turismo de Portugal Meetings in Portugal pode ser um instrumento de identificação dos players do sector, que era um dos objectivos do registo?

              Mesa Redonda alargada, coordenada por:
              Ana Fernandes, APECATE
              Rui Costa, Universidade de Aveiro
              Javier López, CML Asesores

16h30 | PAINEL 6. TURISMO NA “MODA” – OLHARES IMPROVÁVEIS
O que está à vista é o que sustenta de facto o sector turístico? Estamos a fazer as apostas certas? O que significa “estar na moda”? Os prémios recompensam méritos? O sucesso de hoje está a criar alavancas para o futuro ou estamos embalados no sono dos amanhãs que cantam?

                Paulo Vaz, Associação Têxtil e Vestuário de Portugal
                James McSill, Storytelling
                Nuno Nico, Waterlost
                Ricardo Madruga Costa, SATA
                Moderador: Rui Cardoso, Expresso

20h30 |  Jantar de encerramento do Congresso no Clube Sociedade Amor da Pátria, cortesia do Governo dos Açores

SEXTA-FEIRA, DIA 01 DE FEVEREIRO

8h00 – 18h00 | Visita de dia inteiro à Ilha do Pico com almoço*

Jantar Livre

SÁBADO, DIA 02 DE FEVEREIRO

9h30 – 18h00 | Visita de dia inteiro à Ilha do Faial, com almoço volante no Centro Interpretativo do Vulcão dos Capelinhos*, cortesia da Direcção Regional do Ambiente

Jantar Livre

As sessões do 7.º Congresso da APECATE decorrem no Teatro Faialense.

* A APECATE não se responsabiliza por condições meteorológicas desfavoráveis que impeçam a realização das visitas.

** No dia 31 de Janeiro, um técnico da Direção Regional de Apoio ao Investimento e à Competitividade estará presente para reuniões individuais com os associados da APECATE, para disponibilizar informações sobre as estratégias de crescimento baseadas na inovação, no reforço da competitividade e da capacidade de gestão, a par da dinamização do empreendedorismo.