6.º Congresso Nacional da APECATE | Viseu | 31 de Janeiro, 1 e 2 de Fevereiro de 2018

A APECATE está a organizar o seu 6º Congresso, que se realiza nos dias 31 de Janeiro, 1 e 2 de Fevereiro, no Montebelo Viseu Congress Hotel, em Viseu, e que apresenta como tema central “Portugal Melhor Destino Mundial – Como Potenciar?”, por se considerar ser uma temática bastante actual.

Após tantos anos de trabalho árduo, de todos os intervenientes no turismo, conseguiu alcançar-se o primeiro lugar, destacando, assim, Portugal como melhor destino mundial. Não obstante esta distinção, o grande desafio é como manter essa posição.

Neste âmbito, o programa do Congresso foi dividido em seis painéis temáticos:

  • Painel 1 | Região Centro – Os grandes desafios: reflexões sobre como desenvolver
    Este Painel, dedicado à reflexão sobre a recuperação das zonas da Região Centro mais afectadas pelos incêndios de 2017, vai dar a palavra a várias iniciativas em curso, desde os fundos disponíveis aos testemunhos empresariais, tendo como pano de fundo as importantes questões do ordenamento do território. A questão é complexa e deve ser tratada como tal: como contribuir para o renascimento da vida e da atracção desta parte da Região, transformando o que foi trágico em oportunidade de inovação.
  • Painel 2 | Criar destino – Como articular sinergias
    Um dos factores identificados como determinantes para a estruturação do sector turístico é a construção de produtos em rede, onde todos os intervenientes se articulam para construir uma oferta mais qualificada e diferenciadora. Neste Painel, uma mesa-redonda que juntará os responsáveis por várias associações sectoriais, estarão em debate diversas questões, a partir das duas a lançar como motor de arranque: O que é que as associações do sector podem fazer para aumentar e potenciar as sinergias? O seu conhecimento diz-lhes que as empresas já constroem produtos integrados ou ainda existem constrangimentos e preconceitos a vencer? Operadores turísticos, empresas de animação turística, unidades de alojamento, restaurantes, que caminhos para um diálogo mais efectivo? 
  • Painel 3 | Internacionalização – O caminho imprescindível
    A conquista do mercado externo é essencial para o sector. Como criar eventos marcantes? Como chegar aos operadores estrangeiros? Em que meios apostar para a promoção?  Qual deve ser o papel das entidades públicas? De que forma está a ser realizada a articulação do público e do privado nas plataformas de promoção? Como estão a ser avaliados os resultados da acção desenvolvida aos níveis regional e nacional
  • Painel 4 | Workshops sectoriais
    Nestes workshops temáticos, serão abordados dois temas: na área dos Congressos e Eventos, o Código de Ética; na área da Animação Turística, o processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC) e as qualificações profissionais de Turismo de Ar Livre e Turismo Cultural.
  • Painel 5 | Qualificação e certificação – Mudar de paradigma?
    Face à existência de vários processos de formação e de avaliação das empresas, ganham importância crescente algumas questões. De que falamos quando afirmamos a necessidade de formação de recursos humanos? As qualificações existentes dão resposta às necessidades deste sector tão transversal? Serão as normas e os selos de qualidade uma ferramenta imprescindível para a diferenciação num mercado cada vez mais competitivo e globalizado? Com as plataformas e as possibilidades de o cliente se expressar directamente, estamos a caminhar para uma crise dos sistemas de qualidade como factores de diferenciação ou, pelo contrário, eles continuam a ser uma arma poderosa de melhoria, afirmação e desenvolvimento das empresas?
  • Painel 6 | Estruturar o sector – Como potenciar a nomeação de Portugal como primeiro destino mundial?
    Com a evolução acelerada do mundo contemporâneo, que implica, entre outros aspectos, novas tecnologias aplicadas às experiências turísticas, mas também novos interesses, preferências e exigências por parte dos utilizadores, como antecipar e preparar o futuro?
    Os empresários do sector em Portugal, nomeadamente nas áreas da animação turística e da organização de eventos e congressos, estão a seguir o caminho certo para serem competitivos neste futuro?
    As políticas públicas referentes à fiscalidade, ao trabalho, à promoção e à formação, entravam o sector ou tendem a libertar as suas potencialidades? Qual o papel do Estado nesta actividade económica que se revela cada vez mais, um sólido alicerce do desenvolvimento económico nacional?

Para mais informações sobre o programa aceda aqui.